Dúvidas

O trabalho do técnico extensionista não gera ônus financeiro para a empresa. Entretanto, o empresário deve estar disponível para agendar as reuniões referentes às etapas de atendimento, primando pelo cumprimento dos prazos estabelecidos nesses encontros. Também é fundamental a sua participação nas capacitações, buscando a melhoria de gestão de processos e produtos da empresa.

 

Qual a relação do PEIEX-ES com a Apex-Brasil?

A Apex-Brasil tem diferentes iniciativas de apoio às empresas brasileiras que querem exportar ou se instalar em outros países. Para empresas que nunca exportaram ou exportaram de forma pontual, a Apex-Brasil oferece o PEIEX: Programa de Qualificação para a Exportação. Para empresas que já exportam, a Agência promove missões prospectivas e comerciais a mercados externos, rodadas de negócios com compradores estrangeiros e participação em feiras internacionais.

Quem gerencia o PEIEX-ES?

O PEIEX-ES é um programa da Apex-Brasil e, em cada Estado que possui um Núcleo Operacional, a Apex-Brasil conta com diferentes parceiros para desenvolvê-lo. No Espírito Santo, a Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapes) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedes) são as entidades responsáveis por gerir os recursos e implementar as ações do Projeto. A gestão do Peiex-ES e o seu ambiente de operação recebem o nome de Núcleo Operacional (NO) – unidades instaladas em diferentes regiões nos estados brasileiros, responsáveis pelo atendimento às empresas. O NO - ES é composto por um coordenador, um monitor, quatro técnicos extensionistas com conhecimentos multidisciplinares e dois estagiários, selecionados por um edital público lançado pela Fapes. 

De onde vem a receita do programa?

O Programa é mantido por meio de convênio entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e a Agência Brasileira de Promoções de Exportação e Investimentos (Apex-Brasil), sendo executado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedes).